Portal do Aluno:
Lembrar Senha
Buscar Cursos:



17/06/2011
A inconveniencia do medo

A inconveniencia do medo
Prof. Chafic Jbeili - www.unicead.com.br


Ah o medo! Na medida certa nos preserva a vida, nos faz calar na hora certa, nos faz baixar a cabeça e oportunamente recuar de uma investida fadada ao fracasso. Por causa do medo olhamos se vem carro antes de atravessar a rua.

O medo nos dá mais tempo para pensar e produzir mais pensamentos antes de uma escolha ou de uma ação importante. O medo nos preserva não apenas a vida, mas também os dentes, o emprego e o status social.

Ah o medo, quão oportuno és na justa medida! Mas quem sabe ao certo sua medida? A criança assustada que chora ao som de um repentino bater de palmas? Ou será que é aquela que teme dar os primeiros passos e se agarra em tudo? Ou ainda, aquela que exita tirar as rodinhas da bicicleta com medo de cair? Será este sabedor da justa medida o adolescente que sua frio ante a “pagação” de um mico ou será o jovem que desafia os pais arriscando perder seu amor e sua provisão? Quem de nós sabe qual a boa medida do medo?

Ah o medo, quão poderoso és na justa medida! Mas qual dos adultos conhece seus limites? Aquele que mente na entrevista de emprego para acessar o mercado de trabalho ou o trabalhador que contraria sua própria vocação para garantir o pão de cada dia? Ou ainda, aquele que abre mão de seus sonhos para poder realizar os sonhos dos outros, de um filho rebelde, ingrato?

Quem sabe ao certo a justa medida do medo? Os pais permissivos e gratificadores compulsivos por temerem não serem bons pais ou será os filhos inexperientes e chantagistas que, atentos aos medos dos pais, impõem suas exigências dizendo-os incompetentes na arte de educar?

Fora de tal medida, que é personalíssima, o medo mantém o homem refém da tentativa impedindo-o crescer; mantém pais reféns dos filhos; mantém o trabalhador refém de um sistema que não acredita mais e de um emprego rentável, embora medíocre e sem graça.

O medo fora da medida mantém mulheres mal tratadas refém de uma despensa bem provida. O medo evita o esforço e a dor ao mesmo tempo em que inibe a ação bem sucedida, coroando de glória a inércia que alenta o conforto e a comodidade do “tá tudo bem!”.

Excêntrica à justa medida o medo mantém pessoas com medo do trovão privando-as do espetacular balé dos reluzentes raios. O medo excessivo solda eternamente as rodinhas na bicicleta privando a criança experimentar a sensação de independência e liberdade. O medo do novo condena seu portador apenas ao que é trivial.

Muitos dos medos que as pessoas vivem foram implantados por idéias ou acontecimentos do passado que as fizeram sofrer e pensar que as coisas não darão certo nunca mais. Elas não querem sofrer de novo e por isso desistem de tentar realizar seus objetivos e encalçar seus sonhos. Essas pessoas escolhem abrir mão de sua visão de vida temendo enfrentar as adversidades. Temem serem traídas novamente. Temem ficar desempregadas. Temem a ruptura, a mudança, o novo, o imprevisível.

Porém, as adversidades, os erros, as traições, as perseguições, a vergonha também fortalecem e deixam as pessoas mais preparadas para suas próximas tentativas.

Os objetivos pessoais e a visão de vida que uma pessoa nutre em sua alma sempre terão de ser maiores que as adversidades que ela enfrenta. Nada pode desviar uma pessoa determinada do caminho que acredita levá-la à realização de suas aspirações. Por isso ela precisa vencer o seu medo ou pelo menos colocá-lo na justa medida.

As pessoas bem sucedidas são aquelas que rompem com suas experiências negativas do passado, superam seus medos e partem determinadas a alcançarem seus sonhos. Elas buscam os elementos que podem regenerar suas forças e nutrir sua fé, dando-lhes força de vontade e coragem suficiente para tentarem não mais uma vez, mas até conseguirem o que querem.

Quem decide romper com o medo que eventualmente lhe paralisa sente instantaneamente uma força latente aflorar em forma de esperança, alegria e vontade de conquistar ainda mais coisas.

Humanamente falando, nada nem ninguém, seja o que for, seja quem for, pode impedir a realização de um sonho a não ser o próprio medo fora da justa medida!

Só a pessoa ousada, destemida, pode amar sem temer ser traída; ser generosa sem temer ser roubada; dizer não sem temer ser rejeitada; impor limites sem temer ser limitada; arriscar fazer as coisas sem temer ser mal sucedida; declarar sua opinião sem temer ser indesejada; confrontar chefes ou colegas de trabalho sem temer perder o cargo ou até mesmo o emprego; viver as adversidades sem temer a morte.

A despeito de minha profissão de fé, eu costumo afirmar que Deus é a minha força, a minha luz e o meu consolo. A quem temerei a não ser aquEle que pode me privar da vida eterna e dos bens espirituais que estão bem acima das coisas materiais ou sentimentais?

Porque andar ansioso, preocupado apenas em ser bom pai, bom profissional, bom cidadão, com medo de não ser amado, aceito ou com medo de não ter onde trabalhar, o que comer ou o que vestir quando se pode romper com esses medos primários e buscar, além dessas coisas, também aquelas que realmente correspondem às mais nobres aspirações existenciais do ser humano?

Quão inconveniente é o medo que fora de suas medidas paralisa, trava, freia e impede as pessoas prosseguir crescendo na vida sem deixar de preservar a própria existência!

Prof. Chafic Jbeili



Imprimir


Voltar para Artigos